pais nossos

Lawrence Ferlinghetti (Yonkers, New York, EE.UU., 24 março 1919)

Loud Prayer (Beatitude Anthology, 1960)
Tradução: Andrea Gaddini, 2010
Our father whose art's in heaven
hollow be thy name
unless things change
Thy wigdom come and gone
thy will will be undone
on earth as it isn't heaven
Give us this day our daily bread
at least three times a day
and forgive us our trespasses
as we would forgive those lovelies
whom we wish would trespass against us
And lead us not into temptation
too often on weekdays
but deliver us from evil
whose presence remains unexplained
in thy kingdom of power and glory
oh man.
Pai nosso que esmais nos céus,
Esvaziado seja o vosso nome
A menos que as coisas cambiem
Vinde e vá-se embora tu horreino
Não fará-se a vossa vontade
Na terra, pois que não é o céu
O pão nosso de cada dia nos dai hoje
Pelo menos três vezes por día
Perdoai-nos as nossas ofensas
Assim como nós quereríamos perdoar estas belezas
Que nos gostaria nos tivessem ofendido
E não nos deixeis cair em tentação
Demasiado com frequência nos días úteis
Mas livrai-nos do mal
Cuja presença fica inexplicada
No seu reino de poder e glória
Ai de mim.

Jacques Prévert
(Neuilly-sur-Seine, Francia, 4 febrero 1900 –
Omonville-la-Petite, Francia, 11 abril 1977)

Pater noster (de Paroles, 1946)
Tradução: Andrea Gaddini, 2010
Notre Père qui êtes aux cieux
Restez-y
Et nous nous resterons sur la terre
Qui est quelquefois si jolie
Avec ses mystères de New York
Et puis ses mystères de Paris
Qui valent bien celui de la Trinité
Avec son petit canal de l'Ourcq
Sa grande muraille de Chine
Sa rivière de Morlaix
Ses bêtises de Cambrai
Avec son Océan Pacifique
Et ses deux bassins aux Tuileries
Avec ses bons enfants et ses mauvais sujets
Avec toutes les merveilles du monde
Qui sont là
Simplement sur la terre
Offertes à tout le monde
Éparpillées
Émerveillées elles-même d'être de telles merveilles
Et qui n'osent se l'avouer
Comme une jolie fille nue qui n'ose se montrer
Avec les épouvantables malheurs du monde
Qui sont légion
Avec leurs légionnaires
Aves leur tortionnaires
Avec les maîtres de ce monde
Les maîtres avec leurs prêtres leurs traîtres et leurs reîtres
Avec les saisons
Avec les années
Avec les jolies filles et avec les vieux cons
Avec la paille de la misère pourrissant dans l'acier des canons.
Pai nosso que estais nos céus
Ficai ali
E nós ficaremos na terra
Que às vezes é tão agradável
Com os seus mistérios de Nova Iorque
E depois os seus mistérios de París
Que valem bem os da Trindade
Com os pequenos canais do Ourcq
E a Grande Muralha da China
E o rio de Morlaix
As asneiras de Cambrai
Com o Oceano Pacífico
E os dois lagos das Tulherias
Com os bons meninos e os maus sujeitos
Com todas as maravilhas do mundo
Quais estão lá
Simplesmente na terra
Oferecidas a todos
Espalhadas
Maravilhadas elas mesmas de ser tais maravilhas
E que não ousam confessa-lo a si próprio
Como uma bonita rapariga nua que não ousa mostrar-se
Com as medonhas desgraças do mundo
Que são legiões
Com seus legionaries
Com seus torturadores
Com os senhores deste mundo
Os senhores com seus padres os seus traidores e os seus malfeitores
Com as estações
Com os anos
Com as bonitas raparigas e com os velhos patetas
Com a palha da miséria que apodrecem no aço dos canhões.
Me desculpo por qualquer falha na tradução portuguesa:
se você deseja comunicar comígo para correções e/ou comentários,
escreva-me

página criada em: 7 março 2010 e modificada pela última vez em: 11 março 2010